Mitos sobre o gluten e a doença celíaca

Hoje vamos testar um pouquinho do nosso conhecimento sobre a doença celíaca.

Essas são frases que já ouvi de algumas pessoas e, inclusive, de alguns médicos.  Por isso é tão importante a gente estudar sobre o assunto, assim, quando ouvirmos “besteiras” já sabemos que devemos descartar.

Vamos analisar?

1 – Portadores de doença celīaca podem consumir “enzimas” que ajudam na digestão do glúten.

Falso! Cansei de ver pessoas que tiveram indicação para ingerir a enzima antes de consumir o glúten, que isso ajudaria nos efeitos da contaminação cruzada.

Algumas pessoas até afirmaram ter tido uma leve melhora nos sintomas, porém,  como a doença celíaca é auto imune,  reduzir esses sintomas não reduz a gravidade da situação.  O seu corpo foi agredido da mesma maneira e você pode ter graves complicações,  especialmente se o uso for continuo.

Autoria – Juliana Cruciski para o grupo Viva Sem Glúten

Se você tiver interesse, neste link, você encontra um excelente texto da Dra. Juliana, nutricionista falando em detalhes os motivos pelas quais essas enzimas não são indicadas para celiacos. Vale muito a leitura.

2 – A doença celíaca tem cura.

Falso. A doença celíaca é auto imune,  uma condição sem cura até hoje. Porém,  com um excelente tratamento, que nem precisa de medicamentos de uso contínuo.

A dieta 1000% sem glúten é o único tratamento previsto para a doença.  Mas, fique atento, gosto da maneira como a Flávia Anastácio fala: não basta a dieta sem glúten,  o maior desafio do celíaco é o controle da contaminação cruzada.

Você tendo uma dieta bem feita, cuidado com a contaminação cruzada e exames em dia, a doença celíaca entra em remissão até ficar inativa no organismo (Marsh 0). Nesses casos, você terá uma vida completamente normal, porém,  mesmo assim, pra vida toda, precisará ficar sem glúten é atento às possíveis contaminações.

3 – A vacina contra doença celíaca já é uma realidade e permite aos que a tomarem consumir glúten livremente.

Falso! Existe um estudo, bastante promissor, realizado por pesquisadores australianos, que identificou 3 peptideos responsáveis pela resposta auto imune do organismo dos portadores de doença céliaca e através desta descoberta, foi possível desenvolver uma vacina, ainda em fase de testes, que possibilitaria a ingestão de uma pequena quantidade de glúten,  de maneira segura.

Os testes tiveram sucesso, em sua primeira fase, nos celiacos que possuem o gene hla-dq2 presente em seu DNA.

Vale destacar que, em doses mais elevadas, alguns pacientes tiveram sintomas gastrointestinais semelhantes ao que possuíam antes da dieta isenta de glúten.

Para mais informações sobre a vacina é sua eficácia, clique aqui.

4 – o glúten faz mal para todo mundo, por isso deveria ser banido de nossa alimentação.

Falso! Algumas pessoas insistem em dizer que o glúten é uma cola que se adere à parede do intestino, causando inflamações. Essa informação é errada e nem deveria ser propagada.

Para Bárbara Rita Cardoso, membra da Câmara Técnica do Conselho Regional de Nutrição e doutora em ciência dos alimentos, o “glúten não é maléfico para as pessoas que não apresentam intolerância ou alergia”.

Assim como qualquer alimento, glúten em excesso pode fazer mal, mas dentro de uma alimentação balanceada e saudável,  ele não é um vilão,  quando a pessoa não tem nenhum desordem relacionada ao glúten.

5 – A doença celíaca só pode ser diagnosticada na infância, é  “doença de criança”.

Falso! A maior prova de que essa frase não é verdadeira é que o Fabricio teve diagnóstico apenas as 32 anos. Ele relata que alguns sintomas ele tinha há mais de 10 anos e sempre foi tratado como gastrite.

Não há idade para desenvolvimento e diagnóstico de doença céliaca.  Embora muitos descubram na infância,  outros tantos só descobrem na idade adulta ou senil.

A doença celíaca tem um gatilho ainda desconhecido. Alguns estudos sugerem stress, outros uma grande cirurgia e um iltimo estudo indicou que um virus poderia disparar a celiaca. Enfim, os gatilhóspedes são variados e podem ocorrer em qualquer idade.

6 – Uma dieta isenta de glúten colabora para  a perda de peso.

Falso! uma dieta balanceada, saudável e rica em nutrientes colabora para a perda de peso.

Agora, se você vai trocar o seu pãozinho integral, por um pão sem glúten,  feito com farinhas refinadas, o resultado pode ser exatamente o contrário.

Vale alertar para um posicionamento da sociedade brasileira de nutrologia que diz:

Sendo assim, a Associação Brasileira de Nutrologia posiciona-se CONTRÁRIA à utilização de dietas isentas de glúten para fins de emagrecimento e orienta a que a exclusão do glúten da alimentação seja realizada somente para os pacientes com enfermidades que justifiquem essa prática como forma de tratamento.”

Para conferir o texto completo, clique aqui.

7 – A doença celíaca é uma alergia alimentar e, com um bom acompanhamento médico e nutricional é possível reinserir o glúten na dieta.

Falso! A Doença Celíaca é uma condição autoimune,  ou seja, o próprio organismo do celíaco reconhece o glúten como sendo um veneno, dessa forma, não é possível reintroduzi-lo em nenhum momento.

Nas alergias, com o devido acompanhamento nutricional, muitos alimentos podem ser reintroduzidos de maneira gradual. Porém,  não serve para celíaco. Se o seu médico lhe deu essa orientação,  corra dele e procure um que entenda do assunto.

8 – Para diagnóstico de doença céliaca o paciente precisa ter um quadro de diarreia crônica.

Falso! Podemos falar em mais de 300 sintomas relacionados à condição celíaca,  sendo a diarreia apenas um deles. E não podemos nos esquecer dos celiacos assintomáticos,  que já falamos aqui.

9 – Todo celiaco tem baixo peso.

Falso! Estudos mais recentes indicam que boa parte das pessoas diagnosticadas celíaca têm peso normal ou até mesmo sobrepeso quando recebem o diagnóstico.

O fator peso, sozinho, não é um indicativo de doença céliaca.  Porém,  vale lembrar, que quantô mais danificado o intestino, menor é a absorção dos nutrientes e, por consequência,  pode haver perda considerável de peso.

10 – Se os exames para diagnóstico de doença céliaca forem negativos, os sintomas provenientes da ingestão do glúten são “coisa da sua cabeça”

Falso! Existem inúmeras desordens relacionadas ao gluten, como você pode ver na imagem abaixo.

Fonte: http://www.biomedcentral.com/1741-7015/10/13

Se você sente qualquer sintoma ao ingerir o glúten,  POR FAVOR, não o retire de sua dieta, sem antes investigar a causa. E, se você não sente nada, de vez em quando é bom pedir os exames para descartar DC, afinal você pode ser assintomático.

E você,  já ouviu alguma dessas frases?

Tem alguma pior que essa pra dividir com a gente?

Como sempre digo, o conhecimento liberta!

 

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *