Intolerância à Lactose Secundária

Intolerância à Lactose Secundária

Muitos celíacos acabam descobrindo a intolerância à lactose conjuntamente com a doença celíaca. Ou então, como um sintoma da doença.

E isso é bastante comum.

Explico:

A lactase é a enzima responsável pela hidrólise, ou quebra, da lactose, o açúcar do leite.

Essa quebra é importante porque o nosso organismo não consegue absorver a lactose em si, molécula íntegra, ela precisa ser quebrada em dois açúcares, a galactose e a glicose, para ser absorvida na parede intestinal.

E é aí que alguns celíacos podem apresentar problema.

A lactase é produzida na crista das vilosidades intestinais, se há atrofia, seja total ou parcial das vilosidades, a lactase deixa de ser produzida ou é produzida em menor quantidade.

Se o celíaco ingere uma quantidade de lactose maior do que a quantidade de lactase produzida, o organismo não consegue digerir ou metabolizar apropriadamente o açúcar, aparecendo os sintomas da intolerância.

E porque chamamos “intolerância à lactose secundária”? A explicação é bem simples, TEMPORARIAMENTE, o organismo deixou de produzir a lactase, em função da doença celíaca, mas, poderá voltar a produzir após a regeneração dos vilos intestinais.

Não é uma causa PRIMÁRIA, onde a lactase deixou de ser produzida naturalmente, mas secundária causada por outra doença.

Normalmente, após dieta efetiva, sem glúten e sem contaminação cruzada, com reparação das vilosidades intestinais, os celíacos consegue voltar a consumir lactose sem maiores problemas.

Mas, veja, é importante observar se o seu caso é intolerância à lactose, ou alergia tardia à proteína do leite, o que são coisas bem diferentes, mas isso é assunto para um próximo post rs.

Conta aqui pra gente, você teve intolerância à lactose secundária quando do diagnóstico de doença celíaca? Conseguiu voltar a ingerir?

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *